Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


CAFÉ, já tomou o seu, hoje?

por ciprianoalves, em 19.04.14

Poucos de nós passam sem tomar o seu café, diariamente, gesto que para alguns, se repete várias vezes ao dia. Mas quantos de nós sabe as voltas que o mesmo dá, até ao momento de ser servido?

 

Planta do café 

A ORIGEM DO CAFÉ

Segundo a história, a planta foi descoberta por pastores de cabras. O café no estado "cereja" os primeiros frutos, foram descobertos  na Etiópia e eram comidos pelos pastores na forma de pasta com manteiga.Actualmente, o Brasil é o maior produtor de café do mundo. Mas quem teria sido o primeiro país a cultivar a planta?... 

Segundo a publicação "Cultura de Café", editada pelo Instituto Campineiro de Ensino Agrícola, o chamado "ouro negro" foi introduzido pelos árabes, inicialmente na região da Etiópia, antiga Absínia (África) e Iêmen (Arábia), às margens do Mar Vermelho.

Planta estimulante - Estima-se que o café seja conhecido há mil anos no Oriente Médio, especialmente na região de Kafa (daí o nome "Café"). Mas o primeiro registro comprovado da existência da planta é do século XV (por volta do ano de 1.400 d.c.). Nessa época, o café foi descoberto por pastores de cabras etíopes. Eles notaram que quando os animais comiam uma pequena cereja (o fruto do café) tornavam-se mais espertos e resistentes.

Imagem «Panorama da Colheita do Café»

Colheita do café. Antigamente era assim

Kaldi (nome de um desses pastores) passou a colher as cerejas do café e preparar, para seu próprio consumo, uma tonificante pasta feita com cerejas esmagadas e manteiga. Os árabes, vizinhos do Oriente Médio, foram os primeiros a cultivar o café (por isso o nome Coffea arabica – nome científico de uma das mais importantes espécies de café). Os árabes foram também os primeiros a beber o café – em vez de comer ou mascar, como faziam os pioneiros pastores da Etiópia.

 

 

Café é o remédio - É interessante notar que na África, berço do café, houve pouco interesse no cultivo da planta até a Primeira Guerra Mundial. Só depois de 1918 é que se iniciou naquele continente a expansão cafeeira, estimulada pelas metrópoles europeias. A sabedoria dos nativos africanos porém, já levava-os a explorar as propriedades medicinais da planta há pelo menos dois séculos antes. Quando os europeus chegaram ao ex-Congo Belga, por exemplo, as tribos já haviam descoberto há muito tempo os efeitos estimulantes de bebidas preparadas com folhas de cafeeiros.

 

A ORIGEM DA PALAVRA CAFÉ

No mundo árabe, o fruto cafeeiro era chamado de QUAHWAH, cujo significado quer dizer força e vigor. Posteriormente os Turcos e outros orientais passaram a pronunciar CABEUH, cuja palavra adaptou-se ao francês sem a demasiada inspiração dos HH, vindo essa palavra a dar origem a palavra CAFÉ no Português, Francês, Italiano e Espanhol; COFFEE em Inglês; KAFFE em Alemão; KAVE no Húngaro; KOHI no Japonês e KIAFEY no Chinês.

 

PLANTIO

Tudo começa com uma seleção criteriosa das sementes de café. Elas são escolhidas, plantadas e mantidas em viveiros especiais, que darão origem às mudas. As plantinhas passam por diversas etapas de crescimento e quando alcançam de quatro a seis pares de folhas em seus galhos, são levadas para os solos que abrigarão o cafezal.

O plantio das novas mudas deve ser feito durante a primavera, de setembro a dezembro. A planta, que tem preferência por solos bem drenados, demora, em média, dois anos e meio para alcançar o ponto de colheita. Durante este processo de desenvolvimento do cafeeiro, a planta deve receber cuidados especiais, sendo irrigada, adubada e protegida contra pragas e ervas daninha.

 

Plantação de café

Brasil sul, de Minas

FLORADA

Após o sétimo ano da plantação, o cafezal atinge o ponto máximo de sua produção, alcançando a chamada bienualidade. A partir daí, os cafeeiros começam a ter boas colheitas ano-sim, ano-não. Isso acontece porque os frutos surgem em substituição às folhas. A ausência delas desgasta excessivamente a planta, por isso, na safra seguinte, ela direcciona toda sua energia para a recomposição do verde, deixando a produção de grãos em segundo plano.

As flores brancas e perfumadas possuem cinco delicadas pétalas e aparecem entre Setembro e Novembro. Elas darão origem aos grãos de café assim que o verão brasileiro der as caras. As flores que forem fecundadas se transformarão em pequenos frutos que, inicialmente, possuem a cor verde. Quando amadurecem, adquirem tons de vermelho ou amarelo, conforme a variedade da planta. Neste momento, é hora dos grãos serem colhidos.

 

 

COLHEITA

O processo de colheita acontece entre os meses de Maio e Agosto, quando a maioria dos frutos está madura. É importante saber o ponto certo de colheita para que não haja desperdício por conta do apodrecimento natural do café.

No Brasil, existem três tipos básicos de colheita: derriça, a dedo e mecânica. Durante o processo de derriça, um plástico é colocado em baixo da planta. Os grãos são arrancados e depositados sobre a lona, evitando o contacto com a terra. O processo pode ser feito com a ajuda de máquinas ou até mesmo com as mãos. 

Colheita manual de café

Já a colheita feita a dedo exige muita mão de obra e consiste na escolha apenas dos grãos maduros. Por ser um processo caro e demorado, é pouco utilizado nas fazendas brasileiras. Enquanto isso, a colheita mecânica é feita rapidamente por uma máquina que acumula os grãos em sacas, que depois são despejadas em camiões para transporte.

 

 Além do Brasil, estes países também são produtores de café, mas em menor escala

PROCESSAMENTO

Depois da colheita, os grãos devem ser preparados para serem levados à fábrica de café. Primeiramente, é feita a lavagem e separação dos grãos. Nesta etapa, são eliminadas impurezas típicas da roça: folhas, torrões, paus, terra e pedrinhas. Colocados na água, os melhores cafés boiam, enquanto os frutos verdes - não indicados para a produção – afundam e são descartados. 

Após o mergulho, é feito o despolpamento. Em máquinas apropriadas, são retiradas as cascas e polpa do fruto. Após isso, o café passa por um processo de fermentação, que dá conta de retirar toda a sua parte húmida, deixando a semente pronta para a secagem.

 

CHEGADA À FÁBRICA

Após o processamento, os grãos de café são levados à fábrica, que os transformará no pó que conhecemos. A fábrica Master Blenders, em Jundiaí, que produz o café Pilão, recebe uma média de 500 toneladas por dia, o que corresponde a cerca de 20 camiões. 

 

 

Quando os grãos chegam à fábrica, são despejados em uma câmara. A partir daí, são encaminhados para os compartimentos chamados silos, que armazenarão o produto até o momento da secagem. Caso os grãos não tenham destino certo, ficam armazenados em sacas.

No passado, os cafés eram espalhados em um terreiro e, devido ao calor oferecido pelos raios de sol, secavam. O processo era demorado e durava quase três semanas. Hoje, a secagem é feita por meio de secadores mecânicos: o café entra em um compartimento a 140°C, com 12,5% de humidade, e sai quase totalmente seco. Neste momento, o café começa a ficar amarelado. Então, a temperatura para de subir e ele é levado para o processo de torra.

 

Modernas instalações, cafés Bom Dia, em Minas Gerais, Brasil

TORRA

Este procedimento é todo controlado por operadores à distância. Quando o café alcança a temperatura de 140°C, acontecem interações entre as proteínas, gorduras e açúcares presentes nele. O processo, chamado pirolise, se prolonga até que o café atinja os 240°C. Nesta temperatura, ele é misturado a litros e litros de água. O líquido abaixa a temperatura até que ela chegue aos 65°C, corta os processos de interação molecular e reidrata o produto, deixando-o com até 5% de humidade. Cada café possui uma curva de torra, então, a temperatura e o tempo podem variar. Secos, os grãos descansam por três horas e perdem gás carbônico. Em seguida, estão prontos para serem pesados e armazenados.

 

MOAGEM

Quando uma nova marca é desenvolvida, ela é feita através da combinação de diversos tipos de café. Esta “mistura” varia de acordo com o perfil do consumidor, podendo ser um produto gourmet, que leva toques mais suaves; do tipo forte, que é mais amargo e menos ácido; ou até mesmo aromático, que conta com sabores adicionais.

A mistura é preparada mecanicamente. Então, ela é encaminhada para um rolo mecânico, que quebrará os grãos, até chegar à granulometria ideal do produto. Depois da moagem, o café deve descansar por três horas para liberar mais gás carbônico.

 

CLASSIFICAÇÃO

Para que os grãos sejam armazenados, eles passam por “testes”, que os classificarão de acordo com a qualidade. Depois de moídos, os grãos são colocados em um aparelho que irá enviar raios infravermelhos ao pó de café. De acordo com a luminescência refletida, o produto é classificado em números, que apontam uma variedade mais fraca ou mais forte.

Paralelo a isso,é feita a prova todos os cafés que chegam ao local. Eles são torrados e moídos na hora e, depois, são preparados para que o especialista consiga sentir os aromas de cada um. A partir daí, ele desenvolve novas combinações para as diversas marcas de cafés.

 

EMBALAGEM

A linha de produção da fábrica, que fica em Jundiaí, funciona 24 horas por dia e embala café durante todo esse tempo, produzindo mais de 400 toneladas por dia. 

O café moído é encaminhado para uma máquina responsável por colocar o pó nos pacotes. Durante o processo, o saquinho recebe quatro levas de café e é pesado após cada depósito para garantir que a embalagem saia com o peso certo. 

Se o café for embalado a vácuo, ele é comprimido e passa por uma pré-selagem. Em seguida, o pacote é encaminhado para a câmara de vácuo, que retirará todo o ar da embalagem.

 

 

 

 

ENCAIXOTAMENTO

Para finalizar a produção, a embalagem de café passa por um teste para saber se não há oxigênio dentro dela e também é submetida à marcação de validade feita a laser. Então, os pacotes são automaticamente colocados em uma caixa de papelão e estão prontos para chegarem ao ponto de venda. Depois, é só colocar em prática o processo que você já conhece: passar o pó pelo coador e degustar uma das bebidas mais tradicionais do Brasil, o famoso cafezinho.

 

 

COMO PEDIR UM CAFÉ EM PORTUGAL!

 

Quantidade: curto,normal, quase cheio, cheio, banheira...

Chávena (xícara): chávena fria, chávena escaldada, abatanado, americano...
Tipos: carioca, com cheirinho, descafeinado, garoto, meia de leite, café duplo, bica, cimbalino (no Porto)...

 

TIPOS DE CAFÉ

Espresso

Para o café ser considerado um espresso ele deve ter 35 ml do mais puro café e mais nada. Se forma chamado de café expresso, a grafia é com x. Entretanto, sozinho, por se tratar de um nome próprio, o espresso é escrito com s.

 

Americano

É conhecido pela adição de água quente no café, dando uma força semelhante, mas sabor diferente, do café expresso. A força de um Americano varia com o número de colheres de café e da quantidade de água adicionada.

 

Macchiatto

É um café com leite típico da Itália, consistindo num café expresso misturado com uma pequena quantidade de espuma de leite.

 

Fonte: Daniela Abrahão

Espresso Panna

Muito comum na Itália, este café conta com a Panna (creme de leite fresco batido ou feito na coqueteleira). Considerando que alguns estados brasileiros não permitem a comercialização de leite fresco, apenas pasteurizado, muitas cafeterias substituem a Panna por chantilly

 

Duplo

Nada mais é que o dobro de um espresso. Aproximadamente 60 ml de café.

 

Café com leite

Trata-se do café filtrado com leite aquecido ou fervido. Também pode apresentar-se como café expresso com leite vaporizado e uma fina camada de espuma de leite.

 

Lágrima

Bem parecido com o café com leite, se diferencia por ter mais leite do que café.

 

Cappuccino

O verdadeiro, italiano, não leva nada além de leite e café. Porém, algumas versões pelo mundo apresentam 1/3 de expresso, 1/3 de leite vaporizado, 1/3 de espuma de leite na xícara de 150 a 180 ml.

 

 

 

Hawaiano

É o simples café com leite de coco.

 

Caribenho

Nas variações pelo mundo leva calda de açúcar, uma dose de rum, licor de café, meia dose de Martini, gelo, creme de leite, de preferência light ou leite de coco, e café bem forte. Porém, na versão original, apenas o rum, calda de açúcar e baunilha dão mais sabor à bebida.

 

Como fazer café

Segundo as fontes consultadas, para fazer café é preciso usar água filtrada ou mineral, com o mínimo possível de cloro, para não passar gosto para o café.

 

A água também não pode ferver. “O oxigênio da água ajuda a extrair as propriedades do café, em especial daqueles que são gourmet e, quando a água ferve, ela perde esse oxigênio e ainda fica muito quente, podendo queimar o pó”.

Recomenda-se sempre a utilização de café fresco, para ter melhor sabor e aroma na bebida, sem misturar açúcar ao pó ou a água durante o preparo.

As propriedades da bebida são mais bem percebidas se ela não for adoçada. Mas se fizer muita questão, coloque o açúcar ou adoçante diretamente na xícara de café e não no bule.

  

Filtro de papel e coador de pano

As técnicas de preparo de café em coador de pano e filtro de papel são bastante semelhantes e utilizadas. Se antigamente o correto era jogar a água quente sobre o café para depois despejá-lo no coador de pano, esta prática não é mais utilizada.

“Não é só no Brasil que esse método de preparo é um costume secular, na maioria dos países o café coado é o método de preparo por excelência, a exemplo do Japão, Escandinávia. Talvez se explique esta preferência pelo fato do café espresso ser mais concentrado, tendo suas características mais evidenciadas (sabor, aroma, acidez, doçura, amargor, aftertaste) e o café coado ser mais diluído, suave, podendo assim ser tomado em maiores quantidades”, este tipo de café costuma ter mais cafeína do que o espresso, devido ao maior tempo que leva seu preparo.

Tanto para coadores de pano quanto para filtros de papel, a moagem dos grãos deve ser fina. “Como a trama do tecido costuma ser mais aberta que a do filtro de papel, não é incomum encontrar borra na bebida e o café do coador ser mais oleoso, encorpado e menos brilhante que o do filtro”.

Os coadores de pano podem reter resíduos que interferem no sabor do café, enquanto os filtros de papel tendem a ser mais práticos e devem ser do tamanho adequado ao porta-filtro. O pó deve ser disposto uniformemente dentro do recipiente (filtro ou coador), sem apertá-lo, usando cerca de 8 colheres (sopa) de pó de café para cada litro de água. ”Assim que a água começar a soltar bolhas, antes de levantar fervura, deve ser desligada e jogada lentamente sobre o pó de café”.Actualmente há no mercado filtros de papel que podem ser reutilizados. Tanto eles quanto os coadores de pano devem ser lavados apenas com água, para não correr o risco de o detergente interferir no sabor da bebida.

 

Cafeteiras eléctricas e de cápsulas

Assim como as cafeteiras de cápsulas, não há grandes segredos. “No caso das cafeteiras elétricas, quando elas são ligadas na tomada, a água aquece até 70°C e dobra de volume.

Acontece então uma troca de pressão e ela passa lentamente para o compartimento de cima, gotejando sobre o pó de café e libertando a bebida”, as cafeteiras de cápsulas são ainda mais simples, pois para utilizá-las não é preciso ter prática ou  tão pouco habilidade.

CAFETEIRA ITALIANA

Mais conhecida como “moquinha”, esta cafeteira é também uma das mais perigosas, pois podem acontecer explosões. “É preciso que a moagem seja grossa, pois se for muito fina, pode entupir o equipamento. O método de preparo é bem similar ao da eléctrica, já que a água fica em baixo, o pó no meio e a bebida é transportada para cima.

O ideal é desligar o fogo e tampar a cafeteira quando o líquido estiver na metade da parte superior”. Recomenda-se que o consumidor compre um moedor de grãos ou adquira o café moído grosso directamente nas cafeterias para não correr riscos, já que os acidentes costumam ser bem feios e sérios.

“A bebida feita na moquinha acaba sendo bem semelhante à da máquina espresso no que diz respeito à concentração de sabor”.

 

CAFETEIRA FRANCESA

Este equipamento tem design diferente, com um êmbolo que pressiona o café por um filtro e resulta em uma bebida mais suave, porém com mais concentração de cafeína. “É uma bebida feita por imersão e a moagem deve ser ainda mais grossa que na cafeteira italiana. Deve-se escaldar o recipiente com água quente para que ele não esfrie, coloca-se os grãos, a água quente e espera três minutos antes de pressionar o êmbolo e conseguir o café”, este é “um dos métodos de fazer café fresco que mais se propaga”.

 

CAFETEIRA EXPRESSA

O café espresso é a bebida preparada em uma máquina profissional através da passagem de água aquecida a 90°C pelo pó de café fino e compactado sob alta pressão (9 bars). Com sabor concentrado, a bebida não tem tanta cafeína e há mais sólidos dissolvidos por volume.

”Costuma-se ensinar que o café espresso bem tirado é aquele que forma um creme espesso e, conforme despejamos o açúcar, ele demora para cair. Todavia não podemos ser cruéis, já que muitas vezes utiliza-se açúcar cristal para adoçar e, como ele é mais grosso e pesado, cai rapidamente”. A bebida, quando bem feita, chega às mãos do cliente bonita, com creme dourado e elástico, que não mostra o café. “A máquina, a mão do barista, o tipo de café e até a xícara têm influência no resultado da bebida. Estudos comprovaram que xícaras com fundo arredondado são melhores para manter o creme do espresso.”

Cafeteira Expressa

No preparo do café espresso, o grão é moído na hora de uma forma fina e é disposto no “cachimbo”, onde deve ser compactado com um equipamento próprio, exercendo-se entre 15 kg e 20 kg de peso sobre o pó. Quando o cachimbo é encaixado na cafeteira, a água quente passa então pelo pó lentamente, e leva cerca de quatro segundos até cair na xícara. “Nenhum excesso deve ser usado. Se o café cair muito rapidamente, ficará grosso e com sabor ruim. Se demorar mais do que quatro segundos, fica queimado, superextraído e sem suas propriedades de aroma.

 

CAFÉ

PRÓS E CONTRAS

Sendo o café uma das bebidas mais consumidas no mundo é bom lembrar as vantagens e desvantagens do "cafezinho"!

 

PRINCIPAIS VANTAGENS

O café contém antioxidantes que ajudam a manter o seu coração saudável. Estudos comprovam que reduz o risco de ataque cardíaco e também a reduzir os danos nas artérias (arteriosclerose). O café ajuda ainda a regular a tensão arterial pois contém uma substância que alarga os casos sanguíneos. Beba café com moderação. Uma chávena por dia é mais que suficiente.

Controlar Diabetes

Existem estudos que sugerem que os antioxidantes encontrados no café ajudam a melhorar a sensibilidade das células à insulina, o que leva a uma manutenção dos níveis de açúcar no sangue. No entanto existem alguns estudos que refutem esta teoria, mas acaba por ser revitalizante saber que ao beber café temos vais vantagens além de acordarmos.

Acelera o Cérebro

A cafeína mantém-nos alerta e preparados, especialmente se estivermos demasiado sonolentas para acabar algumas tarefas. Estudos recentes evoluem no sentido de indicar que o café pode ajudar a reduzir o risco de demência e outras doenças do sistema nervoso. O café melhora a actividade dos neurotransmissores responsáveis pelas funções cognitivas.

Ajuda a digestão

O café também ajuda na digestão ao estimular a secreção ácida do estomago. Consumir café produz contração peristáltica, funcionando como um laxante natural

 

DESVANTAGENS

Tira o Sono

O motivo por que muitas pessoas bebem café é devido à cafeína, que ajuda a acordar-nos e preparar-nos para o dia. Para ter uma boa noite de sono deve evitar-se o café o mais possível.

Irritabilidade e Ansiedade

Em algumas pessoas o café torna-as mais irritáveis e ansiosas. Isto deve-se ao facto de o corpo já se ter habituado a beber café todos os dias e um dia que falte o café...

Vício

O facto de tomar uma chávena de café por dia não é viciante, mas quanto mais se consome, mais se sente a necessidade de obter o efeito energético que se espera da cafeína. As grávidas devem beber com moderação!  

Overdose de café

O café também pode ser ingerido em excesso. E os sintomas não são agradáveis. Profissionais apontam para dores de estômago, agitação, insónia, irritabilidade, hipertensão. Segundo alguns pediatras, o café também pode contribuir para a absorção de cálcio pelo organismo humano, causando desde enjoos a arritmias cardíacas.



Fonte:TERRA.COM.BRASIL

Nota: Algumas imagens e textos foram retirados através de pesquisa na internet

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:34



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Abril 2014

D S T Q Q S S
12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
27282930

Visitas


Posts mais comentados



Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D